XVIII

As asas estão quebradas
O pássaro já não voa
Mas o céu continua infinitamente azul

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *