Inconstância

Se me solidifico, desmancho.
Se líquido viro, escorro.
Se sou gasoso, disperso.
Se sou orgânico, morro.
Se sou livre, prendo-me.
Se despedaço, junto-me outra vez.
Se morro, viro lembrança (continuo vivendo).
Se tenho alma, eterno sou.
Se sou vivo, torno-me naturalmente inconstante.
Se sou um amontoado de coisas,
sou tudo e nada em uma dialética não terminada.
No fim, só se pode ser aquilo que se é.