Retrato urbano

As ondas flutuam no céu e a brisa amansa a pele
Um mar de memórias é derramado aos pés com o vento
O canto dos pássaros ecoa ao fundo
Enquanto a água escoa memórias de nuvens furadas por um arranha-céu

O rio do lembrar jamais é o mesmo
Nuances de cinza e azul-infinito disputam o espaço
Sobre as cabeças cansadas, pincelam o dia
E no chão a tinta é espalhada por passos, que esmagam o passado
[para ganhar lugar no futuro Continue reading “Retrato urbano”